Capa » Ação 15 » Jackson afirma que implantação do regime semiaberto será prioridade do governo

Jackson afirma que implantação do regime semiaberto será prioridade do governo

756704c17d3cf3bcb45537d9f71324d7

Governador recebeu a Associação dos Magistrados e secretariado da Segurança para discutir soluções para a violência no estado

Até março de 2017, o governo anunciará medidas para estabelecer o regime semiaberto no estado, foi o que disse o governador Jackson Barreto, em reunião com a Associação dos Magistrados de Sergipe (Amase) e o secretariado da Segurança, na tarde desta terça-feira, 29.

“O regime semiaberto precisa funcionar. Nós enfrentamos dificuldades, até porque o Governo Federal, lamentavelmente, fez um contingenciamento do sistema prisional do nosso país. Mas estamos dispostos a colocar como prioridade a construção do regime semiaberto”, reforçou o governador.

Jackson Barreto apontou, ainda, os investimentos que o governo tem feito no âmbito do sistema prisional e na segurança pública, apesar do contingenciamento de recursos, como por exemplo, o Centro de Radiocomunicação Digital, a construção da Cadeia Pública de Estância (entregue nesta segunda-feira, 28), o presídio de Areia Branca, a unidade socioeducativa, em Nossa Senhora do Socorro, que juntas totalizam mais de R$ 57 milhões em investimentos, e a convocação dos policiais militares e civis, aprovados no último concurso.

Para o vice-presidente da Amase, Fernando Dantas, o problema da segurança angustia toda a sociedade e por isso, que o Poder Judiciário pediu a reunião. “Viemos nos mostrar dispostos a colaborar com essa questão e apresentar algumas contribuições que entendemos que são as mais urgentes no que diz respeito ao sistema da justiça criminal”, disse o dirigente, que entregou ao governador um documento com o pleito.

“Nossa preocupação é exatamente que seja implantado o regime semiaberto para que o problema da segurança venha a ser solucionado à medida que essas pessoas não estarão nas ruas praticando outros crimes. No ano de 2016, 800 pessoas passaram para o regime semiaberto e foram direto para casa, por não haver vaga e 3.900 passaram para o regime aberto. Todas essas pessoas deveriam ter algum tipo de custódia”, apontou o dirigente da Amase.

Presenças

Estiveram presentes na reunião o vice-governador Belivaldo Chagas, o secretário de Estado da Segurança Pública, João Batista; o secretário de Estado da Comunicação Social, Sales Neto; a procuradora geral do Estado, Aparecida Gama; o comandante geral da Polícia Militar, coronel Marcony; o delegado geral da Polícia Civil, Alesandro Vieira e diversos membros da  Amase.

Fonte: ASN

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


*